Na Mira do Regis

É show ou é fria? – 2ª semana de Junho

ORQUESTRA JAZZ SINFÔNICA
6 — SESC Pinheiros — São Paulo

Agora sob a regência do talentoso maestro Fábio Prado, esta excelente orquestra vai dar uma aula de competência ao abordar temas clássicos do chamado "cool jazz" e do bebop, abordando espetaculares composições de John Coltrane, Miles Davis, Charlie Parker e Dizzy Gillespie, entre outros. Programão!

QUINTETO VIOLADO
6 — SESC Ipiranga — São Paulo

Um dos mais importantes grupos da história da música brasileira, este aglomerado de talentosos músicos voltou a se reunir para mostrar como era possível criar um som único a partir da mistura de canções nordestinas, folclore nacional e algumas pitadas de rock. É uma boa ocasião para presenciar o resultado de uma pesquisa sonora importante para os dias atuais, nos quais impera a descartabilidade cultural.

MR. CATRA
6 — Carioca Club — São Paulo
(assista ao vídeo)

RIO DAS OSTRAS JAZZ & BLUES FESTIVAL
6 a 10 — Rio das Ostras (RJ) (assista ao vídeo)

CRAZY LEGS
7 — SESC Campinas — Campinas (SP)

Esta ótima banda de rockabilly resgata de forma bem legal as sonoridades mais tradicionalistas das décadas de 50 e 60, tudo tocado com maestria e aquela "pegada" que o som exige. É daqueles shows para sacudir o esqueleto mesmo que você esteja sentado em confortáveis poltronas...

BANDA DE PÍFANOS DE CARUARU
7 — SESC Ipiranga — São Paulo

Outro veterano grupo volta a apresentar sua intrigante e entusiasmada pesquisa sonora a respeito do cancioneiro nordestino. Da mesma forma que o Quinteto Violado aí em cima, este pessoal resgata um tipo de música que pode ser relegado ao rodapé das páginas da história da música brasileira.

ADRIANA CALCANHOTO
7 a 10 — SESC Pinheiros — São Paulo

Lançando seu mais recente DVD, Micróbio Vivo, a cantora apresenta as canções do disco O Micróbio do Samba, em que enveredou pelo samba com resultados interessantes. Dê um desconto para o fato de Adriana ter o carisma de um cacto em cima do palco e saboreie algumas das boas canções que ela certamente mostrará nesta apresentação, acompanhada por um grupo de apoio sempre competente.

BMW JAZZ FESTIVAL
8 a 10 — Via Funchal — São Paulo
(assista ao vídeo)

MARIANA AYDAR
8 e 9 — SESC Santo Amaro — São Paulo

Tendo lançado recentemente um bom disco, Cavaleiro Selvagem Aqui Te Sigo, a cantora vai mostrar um espetáculo que pretende fazer um grande "anel rodoviário-musical" a interligar a MPB e o pop com searas inusitadas de sua personalidade musical, o que torna ainda mais explícito o caráter experimental de sua "MPB esquisita". Se não tem a menor ideia do que escrevo aqui, então eu recomendo que você veja este show e tire suas próprias conclusões.

FERNANDO CATATAU
8 — SESC Pompeia — São Paulo

O fato de o criativo guitarrista do grupo Cidadão Instigado não abrir a boca para cantar neste show totalmente instrumental já é um alívio — poucos caras são tão desafinados quanto ele no atual show business brasileiro. Por outro lado, ele é um músico competentíssimo, que passa muito longe daqueles "solos masturbatórios" que costumam permear o trabalho de seus colegas de instrumento.

REBELDES
9— Espaço das Américas — São Paulo
(assista ao vídeo)

BROKENCYDE
10 - Beco 203 — São Paulo

O mundo das picaretagens musicais é um poço sem fundo de porcarias e armações canhestras. Vide isto aqui, que nada mais é que uma tentativa patética de criar uma versão "Justin Bieber encontra os Beastie Boys, mas com visual emo", um troço tão absurdo de ruim que chego a pensar que trazer estes caras para cá seja alguma "pegadinha do Mallandro". Sério: é uma das maiores bostas que já tive o desprazer de ouvir!

A BANDA MAIS BONITA DA CIDADE
13 — SESC Ipiranga — São Paulo

Na boa: se você está pensando em assistir a este show, é porque está com o cérebro entupido de bolo de fubá da vovó com café quentinho. Pelo amor de Deus, né?

ARNALDO ANTUNES
14 a 16, 21 a 23 — SESC Belenzinho — São Paulo

Pode parecer incrível, mas o formato "acústico" do novo show do ex-Titãs deu uma boa melhorada nas canções de sua carreira solo e repaginou alguns clássicos de sua antiga banda. O fato de contar com uma ótima banda de apoio - na qual brilha a guitarra esperta de Edgard Scandurra - contribui e muito para que a empreitada seja bastante divertida do ponto de vista da plateia. É claro que Arnaldo continua cantando pessimamente, mas, neste caso, isto é um detalhe menor...

Carregando...